Cannabis Medicinal: “A maconha me devolveu a vida”

Cannabis Medicinal: "A maconha me devolveu a vida"

Após ter sido diagnosticado com esclerose múltipla, Gilberto Castro conta como o uso da maconha medicinal possibilitou o aumento de sua expectativa de vida.

No ano de 1999, o designer Gilberto Castro (que tinha apenas 26 anos na época) foi diagnosticado com esclerose múltipla, após realizar um exame ao sentir dormência nas pernas. Para quem não conhece, a esclerose múltipla é uma doença degenerativa e irreversível que destrói a cobertura protetora dos nervos.

Nós já falamos sobre essa doença em outra matéria do nosso site, onde citamos os benefícios da maconha medicinal.

Quando foi diagnosticado, o médico avisou Gilberto que ele teria cerca de 5 anos de vida, além das probabilidades de encontrar diversos problemas durante o convívio com a doença, como por exemplo dificuldade para se locomover, segurar objetos e falta de visão. “Fiquei apavorado. Meu maior medo foi quando o médico disse que eu deveria ficar de cama

Inicialmente, o tratamento da doença era feito com 5 remédios por dia, todos com fortes efeitos colaterais. Entretanto, a busca por melhores condições de tratamento persistiram, fazendo Gilberto procurar diversos especialistas, até que um deles indicou o uso da cannabis medicinal.

“Nem consigo avaliar os benefícios do tratamento nessa época. Os efeitos colaterais eram muito piores que os próprios sintomas da doença.”

Gilberto falando sobre o tratamento inicial com remédios

Nessa época, o designer considerou o tratamento a base de maconha mais eficaz e entrou na justiça buscando obter a licença necessária para fazer uso da cannabis medicinal. Porém, Gilberto precisou de cinco anos e três processos judiciais para conseguir o habeas corpus que permite fazer a plantação caseira e uso para fins medicinais de substanciais provenientes da maconha, planta que é criminalizada no país.

“A cannabis medicinal me devolveu a vida. Reduziu os sintomas da esclerose múltipla sem trazer efeitos colaterais. Ela inibe claramente a evolução da doença. Esse foi um dos motivos para eu me tornar ativista (um dos primeiros do Brasil). A informação precisa ser repassada para salvar vidas”

Gilberto Castro

Hoje em dia – com 46 anos – o designer acredita que se não fosse pelo tratamento com a maconha medicinal, teria ficado de cama e provavelmente estaria morto.

A Cannabis Medicinal como alternativa para tratamentos

Óleo de Canabidiol
Óleo de CBD extraído para o tratamento de doenças

O uso da cannabis medicinal é uma alternativa para o tratamento de várias doenças, você pode conferir alguns exemplos em nosso artigo sobre outros benefícios da maconha. Entretanto, esse tipo de medicação extraída da maconha é inteiramente restrita, sendo limitada a pouquíssimas pessoas e, leva-se muito tempo para conseguir qualquer tipo de liberação para seu uso.

Por mais que a entrada e o repasse desse tipo de medicamento seja regulamentado pela ANVISA (Agência Nacional de Vigilância Sanitária), eles não são produzidos aqui. Os medicamentos extraídos precisam ser importados, encarecendo-os e aumentando a dificuldade da importação – sendo que os remédios podem chegar à R$2.800.

Contudo, uma forma de passar por cima desse problema de importação dos medicamentos seria com a plantação e extração caseira da cannabis. No Brasil, apenas 27 pessoas obtiveram o habeas corpus de plantar maconha em casa para fins medicinais (Gilberto Castro é uma delas).

“Se compararmos esse número com a quantidade de pessoas que precisam urgentemente da planta para viver, é um péssimo índice.”

Gilberto Castro

Devido o acesso a cannabis como medicamento ser extremamente restrito, muitas pessoas acabam recorrendo ao plantio ilegal ou até mesmo o tráfico para obter esse tipo de tratamento. O CBD (óleo de Canabidiol) extraído da plantação caseira de Gilberto, permite que ele obtenha um medicamento que controla suas dores e espasmos de forma mais viável.

“Para quem não ia passar de cinco anos vivo, estar há 20 anos de pé por causa da maconha não é pouca coisa”

Gilberto sobre seu tratamento com a Cannabis

Plantação Caseira

Plantação feita por Gilberto Castro
Plantação Caseira feita por Gilberto Castro

Inicialmente, Gilberto fez uso da famosa “maconha prensada” antes de conseguir o habeas corpus para o plantio. As incertezas das quantidades de CBD e THC presentes na maconha, além da dúvida quanto a sua composição, fizeram Gilberto começar a plantar em casa no ano de 2014, mesmo sem uma liberação judicial.

Durante esse tempo de plantio ilegal, o Denarc (Departamento Estadual de Prevenção e Repressão ao Narcotráfico) chegou a ir investigar a casa do designer.

“Acharam que eu estava traficando, mas no fim viram que não se tratava de algo criminoso”

Explica Gilberto

Com a liberação do plantio caseiro da maconha, Gilberto pode começar a extrair a substância que salvaria sua vida. As flores são colhidas por ele e deixadas de molho no azeite em banho-maria por cerca de 3 horas e, o Hospital das Clínicas auxilia no controle das doses exatas do medicamento.

“As pessoas têm na cabeça a ideia simplista de que a maconha é droga que mata neurônio, ela pode salvar vidas, assim como salvou a minha.”
“Isso [legalização] é garantir a dignidade de alguém com doença. A pessoa não pode esperar. No mundo todo existe um movimento muito grande e aqui no Brasil fica essa burocracia hipócrita…”

Depoimento de Gilberto Castro sobre a situação do uso da maconha medicinal no Brasil
Foto da primeira colheita da Plantação Caseira de Gilberto Castro
Gilberto Castro em sua primeira colheita de Maconha Medicinal oficialmente legalizada

A legalização da cannabis medicinal é um enorme avanço para o tratamento de diversas doenças, porém, é barrado por interesses hipócritas que transformam qualquer tipo de acesso à esses medicamentos uma verdadeira luta para os pacientes e suas famílias. No Brasil, conseguir a permissão para o uso do medicamento extraído da maconha é uma coisa realmente difícil, e o cultivo caseiro da planta para a extração das substâncias é ainda mais complicado.

Existem muitas situações parecidas com a de Gilberto Castro aqui no Brasil, uma das mais conhecidas por exemplo é o caso da pequena Sofia, onde a mãe da criança desafiou a justiça ao importar ilegalmente o CBD em 2013 – na época que a garota tinha apenas 5 anos. Desde o início do tratamento com o óleo de CBD, a frequência de suas convulsões diminuíram para menos que a metade, possibilitando que ela voltasse a escola e tivesse uma vida normal.

Mediante a esses exemplos, e com um horizonte tão amplo das possibilidades criadas pelo uso da cannabis medicinal, podemos concluir que o seu uso traria inúmeras opções de tratamento para muitas pessoas. Qual o seu posicionamento a respeito desse assunto? Compartilhe conosco suas experiências e opiniões!

Obrigado pela visita e continue acompanhando as publicações dos Órfãos da Roanê.


Fábio Pappen

Artigo publicado por Fábio Pappen

Criador de conteúdo nas horas vagas.

Me acompanhe no Instagram

COMPARTILHE NAS REDES SOCIAIS

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *